Análises [11]

SOBRE SENSIBILIDADE E BURACOS.

Eu sou um poço sem fundo de insensibilidade.Notei já.
Não sei me colocar no lugar dos outros,não sou nada do que pareço.Faço coisas erradas e não tento consertar;eu não enxergo absolutamente nada nem mesmo quando acendo a luz.
Juntamente, o eterno questionamento:ah,sério que não é fácil perdoar?E quem disse que é fácil ser perdoado?
São coisas que escuto porque mereço.São coisas que estão junto comigo aqui,dentro do buraco onde me encontro,que eu mesma cavei.Ele é formado por todas as coisas que eu "tivesse não feito" na vida.
Se eu tivesse sido tudo menos:menos impulsiva,menos questionadora,menos estúpida,menos curiosa,menos apaixonada;se eu tivesse escutado quando meu pai falava.Se.
Somando todos esses menos, talvez meu buraco hoje fosse apenas um meio buraco.Isso,nunca vou saber,já que estou aqui,dentro do meu buraco inteiro.Perdida,absorta,ignorante,inerte,alheia.
E quem sai primeiro,eu ou os mineiros do Chile??
Façam todos as suas apostas.


2 Responses to Análises [11]

  1. Mas é um poço com uma escada! Pelo menos tem a opção de subir de volta. Hehe :D Sempre haverá uma escada posta ao nosso lado nesses pequenos instantes pra retornarmos à superfície. Mas o esforço da subida é só nosso.

    Abração!

    Vicente

    ResponderExcluir
  2. Valeu pelo apoio Vicente...amigos estão sempre ali né,pra segurar a escada da gente.
    Bjos

    ResponderExcluir