Máximas e Reflexões [12]

" A emoção não é simplesmente representada, não é um comportamento puro:é o comportamento de um corpo que se acha num certo estado; o simples estado não provocaria o comportamento;o comportamento sem o estado é comédia; mas a emoção aparece num corpo perturbado que mantém uma certa conduta.A perturbação pode sobreviver à conduta, mas a conduta constitui a forma e a significação da perturbação.Por outro lado,sem essa perturbação, a conduta seria significação pura,esquema afetivo."

Jean-Paul Sartre, Esboço Para uma Teoria das Emoções

O duro é essa síndrome crônica do "falta".Falta dinheiro,falta movimento,falta trabalho, falta grude,falta carinho.Sempre falta alguma coisa, ou pior, alguém.É sempre a mesma espera, mesmo que cada espera seja diferente.Pelo que você espera?Por quanto tempo está disposto a esperar?
Ontem mesmo alguém me disse que está impressionado com a minha paciência, coisa que nunca me foi virtude.Mas essa pasmaceira toda é só porque eu não tenho esperado por nada ultimamente.Eu tenho vivido a pior das esperas:aquela espera adormecida, de quando você aperta o botão "soneca" do seu despertador e enrola mais um pouquinho, e mais um pouquinho, e mais um pouquinho...Não pra voltar pra sonho nenhum,já que o sono de verdade acabou no primeiro apito, mas só por preguiça de levantar.
Acho que não posso dizer que estou triste, essa não é uma espera triste.Triste é quando a gente espera por alguma coisa que não vai voltar.Sofrer é um problema,não sentir nada é outro.E não é bom chorar até dormir ou passar a noite em claro, olhando pro teto, só pelo hábito da insônia.Talvez só o que eu precise mesmo é de férias, um porre e um novo amor.Talvez...tudo é tão talvez.
Talvez não seja preguiça, talvez seja excesso de paciência acumulada,que nunca tive.Talvez isso seja um defeito, mas agora é um pouco tarde demais pra eu fingir que me importo com os meus defeitos.Até porque de certa forma me apeguei a todos eles e nem tudo na vida foi feito pra gente consertar.
De tal sorte que,por enquanto eu aperto o botão da soneca e tiro mais um cochilo.Por enquanto eu sobrevivo nesse excesso de faltas, e me vejo obrigada a jogar fora os All Stars que me acompanharam nos caminhos que me trouxeram até aqui - não porque não quero lembrar, muito pelo contrário.É só porque as coisas se desmancham depois de um tempo,tanto os tênis quanto os tropeços.


Leave a Reply