Stand, you're gonna run again.

É curioso como o excesso de cuidado acaba levando a desastres desnecessários, que poderiam ter sido evitados caso a gente não se preocupasse tanto assim.Essa foi a primeira coisa que eu aprendi com você, e talvez a mais importante.
Não, acho que não.
Talvez o mais importante tenha sido eu reconhecer as minhas limitações e fraquezas.Costumeiramente eu me colocava na posição de vítima porque era assim que enxergava os fatos.E não, não se tratava de hipocrisia, era somente a visão limitada de alguém que não sabe calcular a dimensão dos próprios atos.Até você chegar, eu não sabia que tinha o poder de determinar escolhas que amenizassem as consequências da correnteza de circunstâncias inevitáveis.
Foi você que me mostrou o quão egoísta eu posso ser.E que isso pode ser considerado tanto um desvio de caráter gravíssimo quanto a própria salvação, bastando saber quando usá-los.E você me ensinou essa hora certa.O egoísmo é a melhor defesa contra a manipulação quando nos permitimos seduzir por realidades ilusórias que a gente mesmo cria, e nelas tenta se isentar de toda e qualquer responsabilidade.O problema é que esse caminho, aparentemente mais fácil, rouba o melhor de nós, rouba tudo aquilo que poderíamos ser.
É,na verdade é isso mesmo.
A coisa mais importante que você me ensinou,é que eu posso ser muito mais e melhor do que eu tenho sido.Mais do que refém da dor de cabeça.Mais do que a tristeza das manhãs que seguem noites disperdiçadas, basta eu tentar.
Eu não tenho tentado já faz um tempo.Talvez nunca tenha feito esforço nenhum,para ser bem sincera.Eu não me perdi por sua causa,muito pelo contrário.Eu estou me enxergando pela primeira vez, e devo isso não só a você,mas a todos aqueles que vieram antes e me nocautearam também.Que bateram até que eu caísse na lona exausta,arrebentada e sangrando,e me deram a mão pra eu levantar e continuar lutando, só para poder me dar mais uma surra.Foi tanta porrada, tanto golpe certeiro, que por algum tempo eu até parei de sentir a dor.Eu deixei de me importar.
E foi você quem percebeu isso.Você uma hora percebeu que eu apanhava e não reagia mais.Então você fez o contrário.Me deu todas as chances que eu nunca tinha tido antes e permitiu que eu estragasse todas elas.Você me deu tudo que eu sempre pedi.E isso no fim, doeu mais do que qualquer pancada, porque você não me jogou no chão:você me desafiou a levantar sozinha.
Agora eu sei que as coisas não se repetem porque eu preciso consertá-las, e sim porque sempre se repetirão para que todas as criaturas envolvidas tenham outra chance de aprender alguma coisa com ela.
Agora eu sei que a única dívida que eu tenho é comigo mesma.E que eu posso conseguir pagá-la.

Eu não preciso mais fazer parte disso.Na real, eu nunca precisei.
Valeu aí, Camila Gasparin da Fonseca.

I don't blame you for being you, but you can't blame me for hating it.




Leave a Reply